Peixe / marisco

Papillote de bacalhau, molho doce


Aqui está uma receita original e fácil com esta papillotte de bacalhau, molho doce.

Ingredientes para 4 pessoas:

  • 2 dentes de alho
  • 1 limão
  • 4 colheres de sopa. colher de sopa de molho de soja
  • 1 Colher de Sopa. molho de ostras
  • 4 pitadas de pimenta espelete
  • 1 Colher de Sopa. de xarope de agave (ou mel)
  • 30 g de manteiga semi-salgada
  • 600 g de bacalhau
  • 2 sucrinos
  • 1 Colher de Sopa. gengibre fresco ralado
  • Algumas pitadas de gomasio
  • Algumas ervas frescas

Papillote de bacalhau, molho doce

- Descasque e pique os dentes de alho.

- Lave o limão, prepare as raspas.

- Em uma panela, coloque o molho de soja, o molho de ostra, a pimenta, a calda de agave, o alho picado e a manteiga. Derreta em fogo baixo e misture.

Para o papiloto de bacalhau:

Pré-aqueça o forno a 200 ° C (th. 6/7).

- Corte o peixe.

- Lave os sucrinos. Fatie-os.

- Pegue uma folha grande de papel manteiga, arrume os pedaços de peixe e as fatias de sucrina. Despeje o molho. Adicione as raspas de limão.

- Reduza a temperatura do forno para 180 ° C (th. 6), cozinhe por 20 minutos.

- Quando estiver pronto para servir, polvilhe com gomasio e ervas frescas (coentro, salsinha, manjericão).

- Sirva com arroz, batata cozida no vapor ou uma panela de legumes.

Saiba mais sobre o bacalhau

Habitando as águas frias do Atlântico Norte, do Canadá ao Mar de Barents, o bacalhau é um dos peixes preferidos dos franceses. Peixe branco comercializado em filetes, frescos ou congelados, leva a denominação de "bacalhau" quando é salgado. Os fãs consomem de bom grado bochechas, pedaços derretidos e desossados; bandidos, bolsas de ovos transformados em tarama; o fígado ou mesmo a saborosa língua.

Vinho para acompanhar o bacalhau

Diante da doçura proporcionada pelo xarope de agave, o alho, o molho de soja, o gengibre e a pimenta Espelette trazem alívio e caráter pelas suas dimensões picantes, salgadas e quentes. Esta preparação, rica em sabores e aromas, pede naturalmente vinhos que sejam eles próprios fortes, a não ser que se pretenda um vinho que apenas atue como um aglutinante entre todas as nuances do prato.

No primeiro caso, um Gewurtztraminer da Alsácia, com sua doçura, suas notas florais e exóticas, somará sua pontuação para uma combinação que é complexa e doce. Um rosé Côtes du Roussillon, por outro lado, será discreto sem desaparecer, tornando-se o verdadeiro cimento do emparelhamento.

Sr. Chassin

Receita: A. Beauvais, Foto: F. Hamel


Vídeo: BACALHAU COM BATATA - Simples e Fácil (Julho 2021).